terça-feira, outubro 26, 2004

Tenta o mundo da bola recompor-se e acordar para o dia seguinte de um dos factos futebolísticos mais marcantes e calamitosos, arriscamos, do ano desportivo - a lutuosa série de derrotas que mantém o Farense no último lugar da Série F da 3ª Divisão - a Caderneta da Bola, tendo feito já o apontamento para o mergulho dos históricos Salgueiros e Santa Clara às profundezas do esquecimento num exemplo que serve também à agremiação algarvia, aponta agora as baterias a um atleta cujos contornos singulares o aproximam a uma personagem de ficção. Nos últimos dias reunimos, aliás, as condições que julgamos necessárias para afiançar que é voz corrente em muitos clubes por essa Europa e África fora que o jogador em questão não existe nem nunca existiu. Nalguns meandros mais discretos e privados, consta até que o escritor Leslie Charteris terá vislumbrado, nos últimos momentos da sua vida, a encarnação da sua personagem mais famosa, o Santo, neste mesmo atleta. Que nada fica a dever a Roger Moore, o actor que a celebrizou, em compleição física, requinte e faro de golo. O nome mais vezes citado para o referenciar terá sido Jean-Jacques Missé-Missé, mas, em bom rigor, não estamos em posição de assegurar que será este o seu nome verdadeiro. Tudo aponta para que tenha nascido na República dos Camarões - a FIFA e as fontes oficiais de alguns clubes por onde alegadamente terá passado assim o indicam - a 7 de Agosto de 1968, uma data que carece, uma vez mais, de confirmação. A verdade, caros leitores, tal como a recuperamos das malhas cibernéticas e neurológicas, do poço sem fundo que é a memória, a surdina na via pública e a biblioteca ao entardecer, é que este homo futebolis não é sujeito mas percurso, síntese perfeita de um conjunto de objectivos, missões, a atingir por obra cósmica e graça desconhecida em dado momento, em dado clube. Alguns desígnios permanecem intocados, tal a distância que separa um estivador do porto de Douala no Golfo do Biafra de um oficial da gare ferroviária da cidade belga de Charleroi. Outros podemos tentar resgatar e trazê-los para o lado de cá do manto diáfano que separa a história da fantasia. A verdade é que Jean Jacques, a existir realmente hoje em dia, existirá sempre como um homem diluído no seu próprio mito, camaleão das insígnias clubísticas. Promessa polémica que alinhou por dois dos maiores clubes da capital Youndé, o Canon e o Diamant, Jean Jacques rumou depois a Douala para prolongar o fratricida duelo entre os adeptos do Union Douala e do Rail Douala. Infiltrado e insidioso ponta de lança, tão letal no tiro como na assinatura do contrato, Missé-Missé consegue o passaporte para bem longe do hamletiano futebol camaronês. Assim, com um sorriso nos lábios, Jota Jota chega à Europa com o sonho do imigrante francófono herdeiro dos leões indomáveis para tentar a sua sorte justamente no foot. É o FC Malinois que o acolhe, mas não por muito tempo. O seu talento brota a cada treino e é com a trouxa às costas e com o rótulo de matador africano com experiência europeia que chega ao Charleroi, clube royal da Bélgica. Aí conhece o sucesso, começando o Santo a granjear acólitos até à fronteira flamenga. 3 épocas em cheio, com 15 golos na primeira, 10 na segunda e 12 na terceira, valem a Missé o brilho de pérola africana, trazendo nas botas essas credenciais para uma Lisboa que explodia de africanismo futebolístico. Era o Sporting virado para África, em rescaldo de Amunike e pleno prêambulo de reinado de Ahmed Ouattara que recebe o atleta. Aqui, inexplicavelmente, J.Jacques cumpre outro santo sacrifício: num plot twist perturbador, o promissor e portentoso globetrotter é afinal um discreto jogador em fase crítica da carreira, os 28 anos de um avançado e consequente crise de meia idade, e em fase de periclitante adaptação a uma realidade futebolística no mínimo sui generis (recorde-se que animavam os gabinetes de Alvalade um ex-actor e agora ex-treinador do Sport Comércio e Salgueiros e um agora ex-autarca da Figueira da Foz ). O saldo foi negativo – 4 jogos oficiais, zero golos zero – mas, enquanto a equipa continuava o seu suplício, o saltimbanco foi decidido espalhar a pantomina para a Turquia, a montanhosa e portuária Trabzon. No Trabzonspor, uma espécie de Aston Villa do Mar Negro, Jean é o verdadeiro reforço, o jogador fora de pré-época que surge para dar força na eterna luta pelos lugares cimeiros que teimam em fugir para as mãos do Galatasaray e do Fenerbace. Na Turquia o saldo é um pouco melhor, com 10 jogos e um golo, mas não chega. Feitas as malas, para mais uma viagem, M&M não resiste a tomar partido em mais um duelo fratricida, desta feita, a norte, na 4ª maior cidade escocesa, Dundee. Palco ancestral de lutas sangrentas entre o United e o FC local, o camaronês chega como mercenário contratado para reforçar o arsenal laranja, o Dundee United. Rezam as crónicas, todavia, que terá passado mais tempo a cultivar o seu estatuto de stranger in a strange land na urbe das highlands do que propriamente a fazer sangue nos relvados, já que as contas são exactamente as mesmas de Lisboa. Mais a Sul, ainda no mesmo ano, os fragmentos que conseguimos juntar num esboço de currículo oficial dão-no como jogador do Chesterfield, da Second Division e, no ano seguinte, dados substanciais dão-no como tendo iniciado a época ao serviço do Royale Association Athlètique Louviéroise, o clube da cidade belga de La Louviére, à época (1999-2000) na segunda divisão belga. Refira-se, para atestar da densa aura de mistério em torno da personagem charteriana, que o próprio site oficial do clube belga nega esta própria informação. Talvez porque, no mesmo ano rumou ainda à Grécia, ao Ethnikos Aasteras, obscuro clube de meio da tabela do campeonato grego de estrela vermelha ao peito (não confundir com o Ethnikos Pireu), actualmente na 2ª divisão grega. Na Grécia, Jean-Jacques Missé-Missé voltou a encher de orgulho os mestres camaroneses que o ensinaram e trouxe, numa época de titularidade indiscutível – 30 jogos, 9 golos – o aroma ganhador do futebol político que atingira o seu expoente máximo no Estrela Vermelha de Belgrado. Cumprida a missão, dá-se o regresso à Bélgica, a tempo de celebrar na Louviére os seus 32 anos, já um pouco recuado no terreno, já jogador com cartel no estrangeiro, já veterano respeitado e velho conhecido dos ultras valões. Numa época marcante da história do clube, que envolveu chicotada psicológica e a contratação do druida Leclerq, ex-campeão francês com o Racing de Lens, o Louviére, consegue um 15º lugar na Primeira Divisão Belga. E Jean Jacques falha apenas um jogo, conseguindo, uma vez mais 4 golos com a camisola dos Lobos Verdes. No ano seguinte continua no mesmo clube, facto que não acontecia desde 1996, mas a temporada, apesar de prometer (com as contratações Karagiannis e Nicolas Ouedec), começou com uma derrota histórica por 8-2 contra o GBA, jogo em que Missé Missé ainda marcou. Daí para a frente até à surpreendente ponta final, o clube foi perdendo, ao longo do seu descalabro, as suas peças mais importantes, desde o treinador até ao próprio Jean Jacques, não tendo estes presenciado a extraordinária recuperação que colocou o clube na 11ª posição no final do ano. Mas é de Jean Jacques Missé Missé que se trata. E o andarilho seguiu, em perda de fulgor mas não de carisma para o Ostende, na 2ª divisão belga e depois para o também belga Mechelen. O mito do camaleão que veste a pele de diferentes santidades, alvo querubim do paganismo futebolístico, fica também a dever-se a enigmáticos registos recolhidos um pouco por todo o lado, como em escritos que o dão como jogador do inglês Walsall e do Wycombe, fotografias de abraços cúmplices a adeptos do clube holandês Roda JC ou o extraordinário comunicado que assinou, em nome da equipa, ao serviço do Ostende na época de 2002-2003, pedindo encarecidas desculpas ao adeptos pelas más exibições e prometendo os possíveis e os impossíveis por devolver a dignidade à curva. Hoje, caros leitores, perdemos-lhe, por respeito, o rasto mas guardamos-lhe o lugar de refinado marionetista do quotidiano desportivo, a marca indelével de quem move decisivamente o mundo sem que este se dê conta. Algures entre as páginas de Leslie Charteris, o navio de Corto Maltese e as profundezas do mundo futebolístico, ei-lo. Jean-Jacques Missé-Missé, 36 anos. Chamemos-lhe assim.

sexta-feira, outubro 15, 2004

A ocidental bola lusitana é pródiga em idiossincrasias que a tornam, justamente, ocidental e lusitana, e não outra coisa qualquer. Uma dessas idiossincrasias, epifenómenos futebolísticos de singular curiosidade, é afigura quasi-estatutária do treinador-bombeiro, também apelidado de salvador, reserva moral e, na maior parte dos casos, "prata da casa" [Nota: não se trata de uma entrada do Dicionário Português-Futebolês pois, emrigor, não se trata de um artifício terminológico ou de uma figura de retórica]. O treinador-bombeiro é o homem temporariamente certo, no lugar absolutamente certo, no pior momento possível. E, paradoxalmente, ele só é o homem certo quando o momento não podia ser mais errado. Falamos de idiossincrasias específicas da bola lusa, porque em nenhum outro universo futebolístico, suspeitamos, é tão evidente a proeminência de dados misters, feita de um cruzamento bizarro entre prestígio endoclubístico, carisma do passado e disponibilidade para agarrar no leme quando já os ratos se apressaram a escapar ao naufrágio. Regra geral, a competência ou é duvidos ou assim se torna, tal é a dificuldade em aferi-la face às iminentemente drásticas circunstâncias. Dentro desta curiosa sub-classe profissional existem, claro, duas grandes divisões: de um lado, os treinadores aos quais esta descrição assenta apenas em relação a um clube -vide Toni ou MárioWilson no Sport Lisboa, Fernando Mendes no Sporting Clube (este num contexto no mínimo dantesco) ou o há poucos dias referido Caetano, no Tirsense - ou os que fazem dessa mesma condição um modo de vida, em aleivos de pseudo-reformismo esquizóide geralmente de fraca eficácia desportiva. A estes voltaremos já de seguida. Agora, porquê aqui, entre nós, e não além da Taprobana? Que motivos encontra a chuteira cósmica para conduzir deste modo a esfera da vida, aqui nos estádios portugueses? A resposta encontramo-la, claro está, na história e nas profundezas da trágica e mal explicada identidade nacional. O treinador-bombeiro é a persona do mito sebastianista do homem que virá da bruma salvar a nação, neste caso o clube, das trevas históricas, neste caso da descida de divisão ou do não apuramento para as competições europeias. Não é mais do que a personificação da esperança num dado momento em que ela é, mais do que nunca, necessária. Daí as variáveis fundamentais da escolha serem a nostalgia da glória passada, o carisma granjeado ao longo de anos de dedicação e a disponibilidade em dar o peito às balas, como o corpo tenro do real adolescente nos confins do Maghreb se deu às lanças mouriscas, em detrimento do rigor e pragmatismo em dar a táctica como deve ser de acordo com as características dos desafios e dos jogadores do plantel. Não se queira, com isto, desacreditar toda uma classe de mártires que teve a audácia de se lançar às feras. Alguns deles conseguiram, contra todas as expectativas (incluindo as próprias, desconfiamos) atingir um ou outro patamar de sucesso desportivo, como Toni, por exemplo, ou José Romão, que a dada altura da carreira chegou a apresentar-se como especialista em salvar clubes do afogamento. A grande questão é que esta mistificação confina as expectativas ao "mal menor" e reafirma a temporalidade finita do treinador-bombeiro. A partir daqui, cada caso é um caso. No primeiro grupo destacamos Mário Wilson, um dos grandes responsáveis pela ascensão de Akwá ao trucidante estatuto de "novo Eusébio", que chegou a alvitrar que o pé esquerdo de El Hadrioui, pesadelo da canhota em Casablanca, parecia uma mão, tal era a precisão no passe, seguindo todavia como "o velho capitão". Já José Romão, ainda idolatrado na ala mais ortodoxa dos tiffosi de Alverca, conseguiu salvar por duas vezes o clube da descida de divisão, o que lhe permitiu manter-se em pé na corda bamba durante algumas épocas, até cair redondo na rede do trapézio do Circo Madaíl. Este último é um digno representante dessa fina estampa de timoneiros que fazem do mito do salvífico um verdadeiro curriculum vitae, com a mediania na leitura táctica, a deficiência na metodologia de treino e a pequenez do jogo para o empate mascaradas com uma aura de sobrevivência octaviomachadiana. No entanto, e apesar de José Romão ser um candidato sério, entre outros, a levar a palma nesta parada de estrelas, o paradigma, parece-nos, continuará a ser Manuel Cajuda. Senhor de um sinuoso percurso marcado por um misticismo de duplo sebastianismo - o do salvador D.Sebastião e o do reformador quase obtuso Sebastião José de Carvalho e Melo - bem como pela extraordinária proeza de a todos os clubes ter um vínculo emocional dito de longa data. Este atributo tem uma importância singular: geralmente afirmado por frases tão caras ao mister como "vivi muitas alegrias na instituição [tal]" ou "é tempo de seguir em frente", acaba por deixar implícito um apego seminal a um longo cortejo de clubes, desde o Sporting de Braga ao Marítimo, passandopelo Farense (e agora o Beira-Mar), quando, em realidade, não se denota evolução técnica nem capacidade de armar uma equipa para discutir um jogo de igual para igual com um clube mais de três lugares acima na tabela classificativa. Claro que o céu é o limite, e Cajuda já falou em grandes e mesmo em selecção. No fundo, um pouco à laia de D.Quixote, só que em vez de lança tem dois trincos, em vez de moinhos tem os árbitros e os "apesar de tudo, quero dar os parabéns aos meus jogadores" e em vez de moral da história tem, no máximo, um empate suado a duas bolas no Bessa, ou coisa que o valha.

quarta-feira, outubro 13, 2004

Caderneta da Bola: Prontos a encostar para o fundo das malhas se o passe for açucarado... Gritos de incentivo e reprimendas verbais para: caderneta-da-bola@megamail.pt
Porque o futebol que é digno de registo e referência vai desenrolando o seu infinito novelo de fenómenos e petites histoires e a (quase) todos vai prurindo, sobretudo longe das manchetes dos diários desportivos e da sua gritante futilidade, interessa pois, aqui, agora que a ripresa esta ontologicamente efectivada, receber no peito a redondinha e dominá-la com um só toque, para em seguida efectuar um remate manichiano a 30 metros e procurar o ângulo de mais uma incursão nesse mesmo universo de fenómenos que tem assolado o futebolinho viriato. Sim, porque se o esferico entrar no meio da baliza, ou o redes defende ou entao nao ha espectáculo. Algo que certamente não passa ao lado do enfoque analítico do bolómano mais atento, e a esses pedimos desculpa por tão corriqueiro post, prende-se com a situação actual de duas equipas que há um par de anos atrás recebiam os chamados grandes bem como os respectivos cachets relativos a transmissões televisivas e agora se encontram numa situação verdadeiramente prostrante. Um deles é o representante futebolístico de charneira dessa região autónoma que serve de anfitriã a um bom quinhão das tropas bushescas a caminho do Iraque. Falamos, claro está, do Santa Clara. Esta certo que a sua ascenção meteórica da 2aB para a 1a apanhou os mais desatentos de surpresa, fruto de um irrepreensível trabalho dessa lenda leonina que numa tarde chuvosa de 1986 enviou 4 bolas para o fundo da baliza dos rivais da 2a circular, mas o facto dos açorianos ocuparem presentemente o ultimo lugar da Segunda Liga com 0 pontos em 5 jogos, atrás do Sp.Espinho, Felgueiras e Feirense, não pode deixar de causar alguma estupefacção. Aqui na Caderneta cremos que é uma questão facilmente explicada pelas mais elementares leis da física. Assim como no caso de Ivo Damas ou dos quasi-infinitos novos eusébios, a uma ascenção meteórica e repentina segue-se invariavelmente uma queda abrupta e dolorosa. E além disso estas ilhas não se encontram administradas por nenhum carnavalesco pai natal alcoólico que distribui dinheiros públicos a fundo perdido para sustentar salarios e compras de jogadores de primeira linha, como Herivelto, Dragan ou Heitor. O outro clube que também referimos é o mui-invicto e operário Sport Comercio e Salgueiros, de quem somos aqui profundos admiradores. E somo-lo, não só por sermos indefectíveis do futebolismo dialéctico, entendido aqui como o motor que cataliza a luta de classes dentro das quatro linhas, não so por o clube de paranhos nos ter dado a conhecer Vinha e Milovac, mas tambem por uma questão de solidariedade para com uma massa associativa que ao olhar para a cadeira presidencial verificou durante anos, ate à ultima gloriosa Assembleia Geral Extraordinaria, que esta se encontrava ocupada por Jose Antonio Linhares, personalidade para a qual não conseguimos encontrar adjectivos. A alma salgueirista foi sendo lenta e barbaramante apunhalada ao longo dos anos, quer pelo seboso presidente (afinal até conseguimos...), quer por uma linha dinástica no banco que começou em Carlão, passou por Norton de Matos e chegou finalmente a Luis Pedrosa. O resultado: o ultimo lugar na 2a divisao B, também com 0 pontos, e atrás de clubes como o Valenciano ou o Vilanovense. Entre faltas de pagamentos, malabarismos financeiros, gritos de "perseguição!" e harakirescas opções tecnicas, o mui nobre terceiro clube portuense arrasta-se penosamente para contextos que não merece e aos quais definitivamente não pertence. Se pensarmos que o presente imita o passado, é bom que se atente ao exemplo do Tirsense, que em meia década conseguiu a, até à data, inédita proeza de descer da divisão maior até às divisoes distritais em épocas consecutivas, tendo que recorrer a campanhas de angariação de fundos nas quais participou de forma altruísta o presidente do actual campeao europeu de clubes. No que diz respeito ao Tirsense, uma palavra de respeito e admiração para com o guardiao Best, que acompanhou todo este dantesco trajecto, e ao histórico internacional A, peça chave no único titulo da nossa selecçao sénior, Caetano, que até chegou a presidente da colectividade. Para o Santa Clara e para o Salgueiros, a dura realidade presente deve servir, pelo menos, para despoletar um processo analítico que sirva para estancar um definhamento que urge travar. O exemplo vindo de Sto. Tirso está aí, para quem o quiser ver. Quem escolher ignorá-lo e pôr os olhos no chão, poderá deixar de ver os pés que pisam o reluzente e secular verde sagrado, substituído pela aridez e rudeza de um vulgar pelado...

terça-feira, outubro 12, 2004

O post do regresso, por razões bem cá de casa, só podia ser motivado pela refundação da sucursal francesa Carnet du Ballon, isto é, um post sobre os interstícios entre as terras de Saint-Maur e cá o burgo afonsino. A honra histórica na diáspora para as boas terras da république du foot royal, análoga aliás a uma corrente migratória que desde a miséria salazarenta tem vindo a unir o hexágono ao rectângulo, obriga a incidir as torres de iluminação do estádio sobre as gárgulas luso-francesas que protegem o relvado sagrado. Já aqui falámos de um homem maior do que a vida, Jorge Plácido, que levou para Créteil todos os títulos possíveis e todo o talento de uma espécie dentro da mala de cartão; apraz-nos agora dedicar a pena à figura do filho da migração, o gaulês de sangue luso nas veias a pulsar vibrante contendo toda a força e coragem de quem deixou os seus em busca de um futuro melhor (ou de outra coisa qualquer). O futebol português conheceu vários exemplos do jogador emigrante de terceira geração, o futebolista de identidade fragmentada mas de futebol geralmente mais arguto e que por isso vinga onde outros vacilam. O lateral flaviense Patrick é disso exemplo, como o outrora grande promessa e esteio do meio-campo leonino Afonso Martins. Porém, se há que esboçar um arquétipo, se há que recuperar para a ribalta um nome que nada deva à la gloire, nenhum destes se pode orgulhar de ter sido realmente influente numa equipa campeã portuguesa, bem como de fazer boa figura numa Taça UEFA à moda antiga, como deve ser, em knock-out directo do princípio ao fim. Trata-se, claro, de William Quevedo, um distinto chavalier da ala esquerda do Boavistão, o do título, fiel escudeiro de Pacheco e seu futebol de la terreur e um autêntico jacobino nos cruzamentos para a área. Festejando aniversário no mesmo dia que uma caríssima amiga, William Quevedo nasceu a 8 de Maio de 1971, bem no coração do Languedoc-Roussillon, na cidade de Montpellier, e despontou para o futebol no Rodez, à altura na segunda divisão dos distritais, para, em 1995 ascender ao Valence, já na segunda divisão francesa. Sendo senhor fazer toda a ala esquerda, desde o lateral clássico ao médio volante, ou mesmo ponta, conforme as necessidades tácticas de l'entraîneur, foi sem surpresa que, ao longo de 26 jogos de sólida titularidade polvilhados com 3 golos, conquistou os responsáveis de Moreira de Cónegos, vila aliás prolixa fornecedora de arautos da diáspora portuguesa para terras de França. "Willy the kid", como é conhecido no meio futebolístico do Languedoc, ruma ao xadrez-verde onde faz uma temporada sensação, marcando 7 golos, jogando mais vezes a médio do que fazia em Valence e efectuando 28 partidas. Um jogador de futebol tão aguerrido quanto o seu sotaque, um estilo de jogo republicano, feito de arrancadas em velocidade e tabelinhas, que assentava, enfim, como uma luva, a um outro xadrez, o xadrez negro do Bessa. Para melhor ilustrar, a quem tiver menos fresca a memória, dir-se-ia um Martelinho bilingue e com mais poder de choque e competência a defender. Em 1997 passa assim a defender as cores boavisteiras durante 4 épocas com 67 jogos para a Liga, 4 golos e um título de Campeão Nacional. Cumprida que estava a missão no Bessa e duas lesões graves depois, o filho pródigo volta ao hexágono com um currículo mais respeitável e merecedor de um lugar num plantel do Championnat. É o Sochaux quem leva a melhor sobre a concorrência e o contrata por três anos para o lugar de lateral-esquerdo. Afinal, o titular Daf estava de partida para uma preenchida carreira na selecção senegalesa e havia que acautelar o futuro. Futuro esse que não sorriu por aí além a Quevedo, já que, se na primeira época cumpriu 12 jogos, na segunda cumpriu apenas um e rumou de seguida ao Sète, Fc Sète34, na costa mediterrânica do seu Languedoc natal, onde jogou, com a camisola 5, ao lado de Christophe Sanchez e, actualmente, do portento zairense Zico Tumba. Aí, ainda a contas com lesões esporádicas, fez 14 jogos e facturou duas vezes mas esta época, ainda no Sète, também conhecido como o Sporting do Hérault, devido ao equipamento bem evocativo do grémio de Alvalade, já fez sete jogos, um dos quais bem importante. Falamos, claro, da vitória contra o Ajaccio de Gaspar, produto defensivo do eixo Leça-Barcelos. Um percurso honesto de um trabalhador esforçado, operário e sempre impecavelmente cordial e menos violento que a maioria dos seus colegas boavisteiros. Ressalve-se, pois, quem soube fazer a diferença.
A Caderneta da Bola S.A.D. reúne de novo e, perdoem-nos a megalomania, qual Paulo Jorge ou Diego Armando, torna a calçar as chuteiras e a regressar aos relvados. Os motivos? Ainda que tudo aquilo que dissemos há mais de um mês seja cada vez mais actual (vide a recente proliferação de blogs dedicados à digitalização de imagens de ex-jogadores, publicações sem qualquer interesse ou ensejo de explorar a fundo a argamassa de que é feita a memória e a história), os contratempos pessoais de várias ordens não vejam fim imediato, as separações internacionais temporárias estejam devidamente consumadas, a verdade é que de vez em quando dá-nos a vontade a nós deescrever e, pelos vistos, a muito adepto, semi-clandestino amante datragicómica esfera desportiva, a vontade de continuar a ler. O compromisso primeiro de começar o desafio partiu de nós mesmos e afinal, se a escrita deve rolar trimestral como a Taça de Portugal, que assim seja e que ninguém se chateie. Se a bola portuguesa caminha para o seu próprio velório, feito de infortúnios, erros de cálculo, lesões graves e Gilbertos Madaís, pois estaremos cá, feitos acólitos do apócrifo, a escarnecer das velinhas que ajudamos a acender. Sobre o plágio, enfim, será, em última análise, uma falta de respeito pelo leitor, pressupor que este possa não o identificar e perder o seu farol de justiça para com o mais importante: o futebol lendário, apátrido panteão com letra maiúscula. E daí extrair mais uma lição dada pela bola lusa, em parábolas como a do 'Novo Eusébio', prenunciada e simbolicamente trazidas a lume em momento próprio, ou da lenda de Alex àsombra de Artur no Estádio do Bessa: o original, o fundamento, o princípio,não existe, pelo que o que se chama cópia é um mero mimetismo de baixa estirpe, por essa mesma estirpe identificado. O que não invalida o que dissemos do machista e cabotino Borda d'Água para Yuppies. Em suma, foi necessário parar um bocado, sentir a falta do cheiro do balneário, experimentar o que é 'não pensar em algo para recordar', para voltar amergulhar no passado, no nosso e de quem lê, de quem joga lendo e falando. E agora, bola ao centro, para a segunda parte.
Caderneta da Bola: Quem é vivo sempre aparece. Terceiro golo do Liechtenstein para: caderneta-da-bola@megamail.pt